RECEBA O CONTEÚDO DO BLOG NO SEU E-MAIL!

Realidade Virtual e negócios: exemplos de aplicação

Design Thinking | Publicado por Time MJV on 4/mai/2017 17:32:00

realidade-virtual.jpg

 O mundo da Realidade Virtual (ou VR, do inglês virtual reality) é comumente associado ao mundo dos jogos e do entretenimento em geral. No entanto, essa ferramenta tem um grande potencial de inovação em negócios.

Muito embora essa tecnologia (assim como a tecnologia de realidade aumentada) ainda não esteja inserida no cotidiano do consumidor, ela está ganhando tração no mercado.

No ano passado, a Forbes listou as principais tendências para a realidade virtual nos negócios para os próximos 5 anos. Com essa tecnologia, prototipar, criar experiências de usuário nunca vistas antes e até mesmo aprimorar a gerência de talentos de uma empresa serão atividades que terão infinitas novas maneiras de ser trabalhadas.

A MJV, alinhada com os usos dessa tecnologia, vem desenvolvendo projetos que otimizam as diferentes aplicações da Realidade Virtual no contexto corporativo. Vejamos dois exemplos:

 

REALIDADE VIRTUAL PARA CONSCIENTIZAÇÃO DE CLIENTES

Uma seguradora tinha por objetivo criar uma ação eficaz para a conscientização dos seus segurados do setor auto sobre os riscos de dirigir sob a influência do álcool e, assim, reduzir as chances de ocorrência de acidentes e possíveis mortes.   

Para que a melhor solução para essa ação fosse concebida, foi organizado um workshop de cocriação que contou com participantes de diferentes áreas, trabalhando no mesmo projeto.

Entre as ideias geradas nesse workshop, a que foi selecionada para a fase de Prototipagem foi a utilização de óculos de Realidade Virtual. O programa desenhado para ser utilizado com os óculos ilustram de forma eficaz e realista ao segurado como a percepção e movimentos do motorista vão se alterando conforme a quantidade de álcool ingerido.

 

DESIGN THINKING E RV

Já uma empresa americana que lida com imóveis precisava de uma solução para que os clientes em potencial que moram em outros estados e idosos pudessem avaliar o imóvel de forma conveniente, e para os apartamentos que estavam ocupados ou ainda na planta.

Para isso, o primeiro passo foi conhecer o consumidor. É nesse momento que realizamos a Imersão, a primeira etapa do Design Thinking. Desta forma foi possível não somente conhecer o público-alvo, como também ganhar conhecimento sobre o contexto e experiência de todos os stakeholders envolvidos através de seus pontos de vista.

As informações colhidas nessa etapa deram fruto a uma série de insights que posteriormente foram trabalhados em um workshop de cocriação, envolvendo os colaboradores da empresa na fase de Ideação, na qual diferentes ideias foram geradas para solucionar o desafio.

REALIDADE VIRTUAL PARA EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO

Entre as ideias geradas, a que foi selecionada para a Prototipagem foi a utilização de óculos de Realidade Virtual.

Os óculos de Realidade Virtual permitem que os consumidores visualizem as características do apartamento de maneira simples, engajadora e com um mínimo de esforço por parte do usuário.

OS BENEFÍCIOS

A utilização da Realidade Virtual facilitou a interação do usuário com o produto e garantiu a comodidade do cliente, o que tem grande influência na experiência do usuário e na forma como ele percebe a empresa.

A otimização do entendimento dos produtos adquirida através da experiência oferecida pela Realidade Virtual tem grande peso no processo de decisão de compra. Essa é uma das muitas maneiras que a RV pode atuar como um diferencial na hora da avaliação de produtos e da comodidade dos possíveis clientes.  

Categorias: Design Thinking

Nova call-to-action

Deixe seu comentário

Receba o conteúdo do blog no seu e-mail!